• Posts
  • Materiais
  • Artigos
  • Cases
  • Tutoriais
ISTE

Como desenvolver o trabalho científico através das redes sociais?

Um grupo de pesquisadores da Universidad Nacional Autónoma de México lançou um novo olhar sobre o uso das redes sociais no Ensino Médio: e se elas deixassem de ser inimigas e se tornassem parceiras? Na teoria, faz todo sentido: é ali que os alunos passam a maior parte do tempo — às vezes até mesmo dentro da sala de aula.  Mas na prática vem a dúvida: como? O caminho proposto na pesquisa “How to develop scientific thinking using Twitter, Instagram or Facebook?” é a de utilizá-las para desenvolver o pensamento científico dentro da sala de aula.

Para explicar a convergência dos dois campos, o grupo começou pela explicação do que é ciência: “É o conhecimento que existe para nos ajudar a fazer escolhas melhores”. Mas, atrás de cada decisão, existem inúmeras ideias e é preciso validá-las para obter a conclusão de uma tese. Assim sendo, segundo eles, as ideias escolhidas devem sempre cumprir as etapas: 1) Serem consideradas tangíveis; 2) Serem apresentadas; 3) Serem colocadas em prática.

Sabendo desse caminho para o estudo da ciência e da onipresença das redes sociais nas nossas vidas, a pesquisa propôs um novo olhar sobre o seu uso: independente de serem boas ou ruins à comunidade escolar, as redes sociais são fontes de dados acadêmicos e, por isso, podem ser um desafio atual para fazer os alunos estudarem ciência!

Por que escolher as redes sociais?

O primeiro passo para essa escolha é o desafio. Os professores podem escolher os caminhos tradicionais ou surpreender seus alunos com propostas inovadoras — e é esta última a que a maioria de nós escolhemos! E este é uma tremenda proposta para abrirmos mão das proibições e limitações quanto às redes para vermos como ferramentas de construção de conhecimento.

As redes sociais podem ser utilizadas de formas produtivas, caso haja incentivo. Afinal de contas, além de gerarem dados, elas também são um importante canal de comunicação, de consulta às notícias e de contato com especialistas de diversas áreas. Por fim e mais importante: podemos sempre abrir mão de ensinar tópicos que não são relevantes ao nosso dia a dia para adotarmos temas que realmente façam sentido!

Como utilizar as redes sociais a seu favor?  

A proposta principal do grupo de pesquisadores mexicanos é através da análise de dados — tema de extrema relevância para formação dos profissionais do futuro. E isso pode ser feito através de cases que são validados pelos alunos com as métricas que o Facebook e Instagram oferecem: quantidade de compartilhamentos, quantos compartilhamentos em período determinado de tempo, dados sobre gênero dos usuários, quantidade de usuários por países e por linguagem, entre outros!

A palestra “How to develop scientific thinking using Twitter, Instagram or Facebook?” foi apresentada na ISTE Conference 2018. Confira mais sobre a nossa cobertura aqui!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Veja mais

17 de dezembro de 2018

O que são e para que servem as Diretrizes Curriculares Nacionais?

O sistema de ensino conta com várias regras a serem seguidas. Uma delas são as Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN), normas da Educação Básica que embasam o planejamento curricular das escolas….

Políticas públicas
4 de dezembro de 2018

Entenda como as mudanças na BNCC impactam o vestibular

Em abril de 2018, o Ministério da Educação (MEC) apresentou a versão final da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), uma proposta polêmica e que influencia toda a Educação Básica. O…

VER MAIS POSTAGENS

Pesquisa

MAIS LIDAS

Como seu candidato pretende melhorar a educação brasileira?Antes e depois: quem é o professor moderno da educação 3.0?Veja como economizar recursos usando o Prova Fácil[GUIA] 32 ferramentas gratuitas valiosas para avaliações onlineComo levar o Prova Fácil para sua instituição?Como nossos clientes adotam o Prova Fácil Avaliações para o EAD

As melhores soluções para gerenciar as suas avaliações

SIGA-NOS